A França e a Alemanha procuram fazer grandes empresas de tecnologia como o Google, a Apple, Facebook e a Amazon, começar a pagar sua participação nos impostos. A mudança vem depois que líderes europeus expressaram frustração sobre como essas empresas concentram seus lucros e custos em países que os taxam nas taxas mais baixas. “A Europa deve aprender a defender seu interesse econômico muito mais firmemente, a China faz isso, os EUA também fazem isso”, disse o ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, ao site Bloomberg. “Você não pode tirar proveito de fazer negócios na França ou na Europa sem pagar os impostos como outras empresas – empresas francesas ou europeias – estão pagando”.

Os impostos foram um problema permanente na Europa quando se trata dessas empresas. Uma vez que países como a Irlanda e o Luxemburgo estabeleceram taxas de impostos atrativas baixas, as principais empresas tendem a estabelecer sua sede européia lá e aproveitarem lacunas que lhes permitem minimizar a quantidade de impostos que pagam em outros países da Europa. No ano passado, a Comissão Européia ordenou à Apple que pagasse bilhões de dólares em impostos atrasados.

Alemanha e França discutiram estes problemas fiscais corporativos no mês passado e as autoridades francesas planejam propor novos regulamentos fiscais para empresas de tecnologia em uma reunião da UE em setembro. O presidente Emmanuel Macron se propôs a baixar os impostos das empresas francesas para 25% dentro de cinco anos e exortou outros Estados membros da UE a alinhar o seu índice com as taxas da França e da Alemanha. Le Maire acredita que se a França e a Alemanha juntarem suas taxas, outros estados da UE seguirão o exemplo. Ele disse que a França estava fazendo “um esforço considerável”. “Pedimos a outros Estados membros da zona do euro que façam um esforço similar na outra direção”.

Comente este post